domingo, 25 de março de 2012

Recursos do Fedora 16

Saludos!
Gravei há pouco um vídeo onde mostro alguns recursos do Fedora 16. A interação entre as áreas de trabalho, a rapidez, e algumas aplicações rodando. Confira:

Baixe a sua cópia do Fedora aqui: http://get.fedoraproject.org/

sábado, 24 de março de 2012

Gravar desktop, configurar rede AD-HOC e outras dicas do Fedora 16

Saludos!
Depois de alguns posts bem técnicos, aqui vão algumas dicas para melhorar a experiência no uso do Fedora 16 desktop, codinome "Verne".

Gravar o desktop

O Fedora 16 vem com um cliente nativo para a gravação; para começar a gravar tudo o que acontece no desktop, tecle CTRL+SHIFT+ALT+R. Para interromper a gravação, pressione novamente a mesma sequência de teclas. 

Configurar rede AD-HOC

Em alguns posts anteriores eu passei algumas informações sobre como configurar uma rede ad-hoc no Ubuntu, que era a distro que eu utilizava. Este processo é MUITO Mais simples no Fedora. Acesse o ícone de rede após a sua conexão com a Internet estar estabelecida. Navegue até a opção abaixo. Clique em "use as hotspot". O aplicativo mostrará para você uma chave que deverá ser digitada no micro/device que será o "cliente" Veja a imagem:


Testei desta forma e consegui compartilhar a minha Internet, que é 3G, entre o notebook e o meu celular. Tudo pode ser mais simples, não é mesmo?

Dicas rápidas

Download do Fedora: http://fedoraproject.org/pt_BR/get-fedora
Repositórios RPM Fusion: http://rpmfusion.org/Configuration/

Fonte de pesquisa: 
Gravando a área de trabalho no Gnome 3 - Disponível em: <http://linuxnanet.com/2011/06/gravando-a-area-de-trabalho-no-gnome-3.html>. Acesso em: 24 mar. 2012

sexta-feira, 16 de março de 2012

Configurar o Xenserver para aceitar o monitoramento SNMP - configurando o SNMP no CentOS

Muitos utilizam o SNMP para monitorar hosts Windows e Linux em ambiente de rede. Existem várias ferramentas que são utilizadas monitorar servidores/hosts via SNMP: CACTI, por exemplo.

Na maioria das distros basta você mandar instalar o SNMP. Em distros Centos: yum install net-snmp  , e depois utiliza service snmpd start  dentro de /etc/init.d  para subir o serviço.

Mas para Xenserver não é bem assim, e eles também precisam ser monitorados.

Segue o tutorial.

Mude as configurações do FirewallVocê deve mudar as configuraçoes do firewall para permitir comunicação através da porta que o SNTMP utiliza:
1. Abra o arquivo /etc/sysconfig/iptables no seu editor de texto preferido (pode ser VI):
2. Adicione a seguinte linha na seção INPUT, depois da linha -A RH-Firewall-1-INPUT –p udp –dport 5353... :
-A RH-Firewall-1-INPUT -p udp --dport 161 -j ACCEPT
3. Salve e feche o arquivo.
4. Reinicie o serviço do firewall:
# service iptables restart

Habilitando o serviço snmp:
1. Para habilitar o serviço SNMP execute o seguinte comando:
# chkconfig snmpd on
2. Inicie o serviço SNMP:
# service snmpd start
Mudando a configuração do SNMP
1. To change snmp configuration edit the /etc/snmp/snmpd.conf file.
2. Reinicie o serviço SNMP:
# service snmpd restart

Exemplos de configuração do SNMP
Configurações padrão
Você só pode visualizar as subtrees .1.3.6.1.2.1.1

Visualizar todas as subtrees

1. Modifique as linhas conforme segue:
Linhas existentes:
view     systemview     included     .1.2.6.1.2.1.1
view     systemview     included     .1.3.6.1.2.1.25.1.1

Adicione a linha:
view     all          included     .1
Modifique a linha:
access     notConfigGroup “”     any     noauth     exact     systemview     none      none
Para:
access     notConfigGroup “”     any     noauth     exact     all          none      none
2. Salve o arquivo.
3. Reinicie o serviço:
# service snmpd restart
Modifique a string community (o padrão é "public")
Modifique a linha:
com2sec notConfigUser     default     public
Para:
com2sec notConfigUser     default     oque_voce_precisar

quinta-feira, 8 de março de 2012

Guia (lista) de comandos básicos no editor de texto VI (Linux)

Elaborei este pequeno tutorial para minha própria consulta, porém, fique à vontade para consultar também e replicar a informação. Trata-se de um pequeno guia com todos os comandos do editor VI no Linux.
Fonte: http://www.infowester.com/linuxvi.php
Bom proveito.


Modo de inserção e de comandos

Para identificar o modo (estado) do vim, basta visualizar o rodapé da tela.
Agora, vamos à prática. Para executar o vim, utilize:
$ vi => Abre o vim vazio, sem nenhum arquivo e exibe a tela de apresentação.
$ vi arquivo => Abre o arquivo de nome "arquivo".
$ vi arquivo + => Abre o arquivo de nome "arquivo", com o cursor no final do mesmo.
$ vi arquivo +10 => Abre o arquivo de nome "arquivo", com o cursor na linha 10.
$ vi arquivo +/Copag => Abre o arquivo de nome "arquivo", na primeira ocorrência da palavra "Copag".

Ao executar o vim, ele inicia diretamente em modo de comando. Para comprovar, é só olhar na última linha (rodapé) e não vai haver nada lá. Isso quer dizer que você não conseguirá escrever nada, pode digitar a vontade que só vai ouvir beeps. Para começar a escrever, pressione "i" em seu teclado. O vim entra em modo de inserção, que você comprova (como falado anteriormente) pelo rodapé da tela, onde fica a seguinte marcação:
-- INSERT --
Suponha que você já digitou o bastante, e quer salvar, por segurança. Pressione a tecla ESC para voltar em modo de comandos. E veja os comandos para salvar/sair:
:w => Salva o arquivo que está sendo editado no momento.
:q => Sai.
:wq => Salva e sai.
:x => Idem.
ZZ => Idem.
:w! => Salva forçado.
:q! => Sai forçado.
:wq! => Salva e sai forçado.
Então, você editou uma boa quantidade de textos e quer salvar:
:w
Agora, quer voltar a editar o texto:
i
Lembre que utilizando o "i" para inserção, a mesma se inicia inserindo texto antes do cursor. Veja agora outros subcomandos de inserção de texto:
A => Insere o texto no fim da linha onde se encontra o cursor
o => Adiciona uma linha vazia abaixo da linha corrente
O => Adiciona uma linha vazia acima da linha corrente
Ctrl + h => Apaga último caracter à esquerda
Voltando ao modo de comando:
Veja agora subcomandos para movimentação pelo texto:
Ctrl + f => Passa para a tela seguinte.
Ctrl + b => Passa para a tela anterior.
H => Move o cursor para a primeira linha da tela.
M => Move o cursor para o meio da tela.
L => Move o cursor para a última linha da tela.
h => Move o cursor para caracter a esquerda.
j => Move o cursor para linha abaixo.
k => Move o cursor para linha acima.
l => Move o cursor para caracter a direita.
w => Move o cursor para o início da próxima palavra (não ignorando a pontuação).
W => Move o cursor para o início da próxima palavra (ignorando a pontuação).
b => Move o cursor para o início da palavra anterior (não ignorando a pontuação).
B => Move o cursor para o início da palavra anterior (ignorando a pontuação).
0 (zero) => Move o cursor para o início da linha corrente.
^ => Move o cursor para o primeiro caracter não branco da linha.
$ => Move o cursor para o fim da linha corrente.
nG => Move o cursor para a linha de número "n"
(susbstitua n pelo número da linha)..
G => Move o cursor para a última linha do arquivo.

Copiando e colando textos no vim (utilizando o mouse)

Selecione o texto necessário com o botão esquerdo do mouse. Quando você for colar, saiba que o texto será colado a partir de onde se encontra o cursor (esse que aparece, às vezes piscando e às vezes não, quando você está digitando). Para colar, depois de ter selecionado o texto, você pode utilizar uma dessas opções:
1) Pressionando o botão direito do mouse;
2) Pressionando o botão direito + botão esquerdo juntos;
3) Pressionando o botão do meio do mouse (mouse de 3 botões);
Observação: Lembre-se que o vim deve estar no modo de inserção.

Usando o modo visual do vim

Entre no modo visual: v
Agora, utilize as teclas direcionais (setas) do teclado, para selecionar o texto desejado.
Pressione e cole, utilizando a tecla "p" (paste).
Veja agora como apagar um determinado texto:
Utilizando normalmente as teclas Backspace/Delete, ou entrando em modo visual (v) e pressionando a tecla Delete.
Você pode remover até o final de uma palavra, utilizando: dw
Pode também remover até o final de uma frase: d$

Desfazendo uma ação

É claro que você pode desfazer uma ação que você considera errado, ou que errou ao digitar o texto. É só utilizar: u
Se você precisar voltar o texto na tela, utilize as teclas Ctrl + r.

Subcomandos para localização de texto

/palavra => Procura pela palavra ou caracter acima ou abaixo do texto.
?palavra => Move para a ocorrência anterior da palavra (para repetir a busca use "n").
n => Repete o último comando utilizando / ou ?.
N => Repete o último comando / ou ? ao contrário (baixo para cima).
Ctrl+g => Mostra o nome do arquivo, o número da linha corrente e o total de linhas.

Mais opções para remoção de caracteres

x => Apaga o caracter onde o cursor estiver.
dd => Apaga a linha inteira onde o cursor estive
D => Apaga a linha a partir da posição do cursor até o fim.
J => Une a linha corrente à próxima.
:5dd => Removeas próximas 7 linhas a partir da posição do atual do cursor (qualquer número).

Mais para copiar e colar

:yy => Copia a linha onde o cursor se encontra.
:5yy => Copia as próximas 5 linhas a partir da posição atual do cursor.
:p => Cola o que foi copiado na linha abaixo do cursor atual.

Opções para substituição de textos

rCARACTER => Substitui o caracter onde o cursor se encontra pelo caracter especificado em CARACTER.
RTEXTO => Substitui o texto corrente pelo texto digitado (sobrepõe).
cw => Remove a palavra corrente para substituição.
cc => Remove a linha corrente para substituição.
C => Substitui o restante da linha corrente, esperando o texto logo após o comando.
J => Une a linha corrente à próxima.
:s/velho/novo => Substitui a primeira ocorrência de "velho" por "novo" na linha corrente.
:% s/velho/novo => Substitui em todo o arquivo (%) a primeira ocorrência de "velho" por "novo" em cada linha.
:% s/velho/novo/g => Substitui em todo o arquivo (%), todas (g) as ocorrências de "velho" por "novo".
:% s/velho/novo/gc => Igual ao anterior, mas pedindo confirmação para cada substituição.
:% s/^String[0-9]//gc => Expressões regulares também funcionam, como no sed.
:% s/./\u&/gc => Converte para maiúsculas (\u) o primeiro caracter (.) de cada linha.

Abreviações

:ab => Mostra todas as abbr.
:abc[lear] => Remove todos.
:iab => Apenas para modo de inserção.
:iabc[lear] => Tira todos de inserção.
:cab => Apenas p/modo de comando ( : ).
:cabc[lear] => Tira todos os modos de comando.
:una vc => Tira ab para vc.
Observação: Pontuação, espaço ou o ENTER, disparam a expansão de uma abreviação. Porém, Ctrl+] também pode ser usado, para expandir sem adicionar caracteres.

Opções para o comando SET

:set
autowrite aw => Salva a cada alteração.
backspace bs => Comportamento backspace (1 ou 2).
errorbell eb => Campainha de erro.
expandtab et => Troca tab por espacos.
fileformat=dos ff => Converte o arquivo para DOS.
hidden hid => Preserva o buffer.
hlsearch hls => Elumina a última procura.
ignorecase ic => Case insensitive na busca.
incsearch is => Ilumina procura enquanto digita.
laststatus=2 => Mostra linha de estado.
lazyredraw lz => Não redesenha em macros.
lines=N => Múmero de linhas na tela.
magic => Usar mágicas na procura de padrões.
number nu => Mostra núm da linha.
report=N => Mostra aviso quando N linhas mudaram (0=sempre).
showcmd => Mostra o comando que se está fazendo.
showmatch sm => Mostra o casamento de {},[],().
smartcase scs => Assume "noic" quando tiver maiúsculas.
textwidth=N => Quebra de linha do texto.
undolevels ul=N => Guarde os N últimos comandos para desfazer (padrão=1000).
vb t_vb= => Retira o "beep" de erro.

Agora invertendo maiúsculas/minúsculas

5~ => Inverte os 5 próximos caracteres.
g~$ => Inverte todos os caracteres até o fim da linha.
seleciona, u => Converte para minúsculas.
seleciona, U => Converte para maiúsculas.
seleciona, ~ => Inverte.
Observação: Onde está escrito "seleciona", é para fazer utilizando o modo visual (v).
Agora veja como definir coluna de quebra de linha (problema que eu tive quando iniciei no aprendizado do vim):
:set textwidth=N
Se você já estiver num arquivo pronto:
:set wm=5 => O número 5 aqui são as colunas que serão "cortadas".
gqG => Até o final do arquivo.
Vamos ver agora o que podemos fazer pressionando a tecla "Ctrl":
É claro que é segurando Ctrl + .
No modo de COMANDO:
A => Incrementa um número (Add)
X => Decrementa um número
S => ScrollLock
L => Redesenha tela
V => Modo visual (Visual Vertical)
G => Status do arquivo
M => Início da próxima linha
E => Linha abaixo sem mover cursor
Y => Linha acima sem mover cursor
N => Próxima linha (Next)
P => Linha anterior (Previous)
F => PageDown (Forward)
B => PageUp (Backyard)
U => PageUp / 2 (Up)
D => PageDown / 2 (Down)
Agora, no modo de INSERÇÃO:
A => Insere o último texto inserido
I => TAB
S => ScrollLock
H => BackSpace
T => 2 tab's no início da linha (Two Tabs)
V => Anula expansão do próximo caractere
J => Enter - quebra de linha
M => Enter - quebra de linha
L => Redesenha tela
R => Insere conteúdo do registrador [a-z] (Veja abaixo)
K => Insere um dígrafo (Veja abaixo)
N => Procura palavra no texto atual (Next)
P => Procura palavra no texto atual (Previous)
Y => Copia caractere que está acima (Yank)
Veja os caracteres especiais:
ga => Mostra o código da letra sobre o cursor.
:dig => Mostra todos os dígrafos disponíveis (tabela).
Exemplos: Para fazer um º, use Ctrl+K,-,o ("Ctrl"+"K"+"-"+"o").
Para fazer um ½, use Ctrl+K,1,2 ("Ctrl"+"K"+"1"+"2").

Trabalhando com arquivos e janelas múltiplas

Você pode abrir múltiplos arquivos, por exemplo:
$ vim arquivo1 arquivo2
E pode alternar entre as janelas. Veja:
:wn => Grava o atual e vai ao próximo.
:wN => Grava o atual e vai ao anterior.
:args => Mostra todos os arquivos atuais.
:qa => Sai de todas as janelas de uma vez.
:all => Abre todos os arquivos em janelas individuais.
Tecla chave das janelas = Crtl+W
j, seta abaixo => Move para janela abaixo.
k, seta acima => Move para janela acima.
o => Apenas esta janela, fecha todas as outras (Only).
+, - => Muda o tamanho da janela.
= => Deixa todas as janelas com tamanhos iguais.

Os registradores

"[a-z] => Use o registrador [a-z] para o próximo delete, cópia ou cola.
:reg => Mostra o conteúdo de todos os registradores.
:reg [a-z] => Mostra o conteúdo do registradores [a-z].
Observação: O [a-z] pode ser: 0-9a-z%#:.-="
Marcas:
m[a-z] => Marca em [a-z] a posição corrente do cursor.
`[a-z] => Vai até a marca [a-z].
`` => Vai até a posição anterior ao último pulo (alterna).
:marks => Mostra as marcas ativas.

Fazendo gravação de seqüência de comandos

q[a-z] => Inicia a gravação de uma seqüência no registrador [a-z].
q[A-Z] => Inicia a gravação, adicionando no registrador [a-z].
q => Pára a gravação.
@[a-z] => Executa a seqüência do registrador [a-z] (5 vezes? 5@a)
Dica: Pode-se colocar o @[a-z] dentro da própria gravação do q[a-z]! Assim ele é executado recursivamente. Muito útil quando há uma procura de padrões na gravação. faz para todas as ocorrências.

Mapeamentos

:map :r!date => Mapeamento em modo de comando.
:imap :r!date => Mapeamento em modo de inserção.
:cmap r!date => Mapeamento em modo linha de comando.
:vmap :r!date => Mapeamento em modo visual.
Exemplos:
"html: negrito no trecho selecionado
:vmap d`pa # html: negrito no trecho selecionado
"liga/desliga autoIndent
:map ,si :set ai!:echo "autoIndent="&ai
"mostrar os espaços em branco no fim das linhas
:map / *$^M
Através dos mapeamentos é possível "encurtar" comandos, ou seja, abreviá-los. Conheça as sintaxes:
Comment => Ciano
Constant => Roxo
Identifier => Ciano
PreProc => Azul escuro
Special => Vermelho
Statement => Amarelo
String => Roxo
Type => Verde
Todo => Preto, fundo marrom
Error => Branco, fundo vermelho
Ignore => Preto, fundo preto! - esconde

Utilizando o recurso de expandtab

Mas, o que isso faz? Transforma todos os TABs em espaços. Podemos ativar dentro do próprio vim, utilizando o comando:
:set expandtab
Para desabilitar:
:set noexpandtab
Podemos colocar também no arquivo ~/.vimrc a seguinte linha:
set expandtab
O arquivo ~/.vimrc pode ser usado para muitas configurações, e essa é uma delas. Existe ainda o arquivo ~/.exrc, mas não entraremos em detalhes.
Podemos incluir a saída de um comando no vim, utilizando:
:r!comando
Por exemplo:
:r!rpm -q kernel
Incluiria o seguinte resultado, dentro do seu texto (isso na minha máquina):
kernel-2.4.18-3
Dicas diversas do vim:
:xit => Igual :wq, mas só grava se tiver sido alterado algo no arquivo.
:map N_ARQ ^R=expand("%:t:r")^M
Imprime no arquivo o próprio nome do arquivo editado quando N_ARQ é digitado.
Agora, veja como alinhar o texto:
:left
:right
:center
E para fazer uma busca de 2 palavras ao mesmo tempo:
/palavra1\|palavra2

Siga-me no Twitter: @renatobluesboy
Fiquem com Deus!

segunda-feira, 5 de março de 2012

Guia de comandos básicos no Terminal (Linux)

Estou montando este tutorial para minha própria consulta e para os leitores que se interessarem.
Afinal, precisaremos lidar com linha de comando se estivermos trabalhando com Linux (cedo ou tarde isso irá acontecer).
Segue o mini-tutorial:

cal: exibe um calendário;

cat arquivo: mostra o conteúdo de um arquivo. Por exemplo, para ver o arquivo freelinux.txt, basta digitar cat freelinux.txt;

cd diretório: abre um diretório. Por exemplo, para abrir a pasta /mnt, basta digitar cd /mnt. Para ir ao diretório raiz a partir de qualquer outro, digite apenas cd;
chmod: comando para alterar as permissões de arquivos e diretórios.

clear: elimina todo o conteúdo visível, deixando a linha de comando no topo, como se o terminal acabasse de ter sido acessado;

cp origem destino: copia um arquivo ou diretório para outro local. Por exemplo, para copiar o arquivo freelinux.txt com o nome freelinux2.txt para /home, basta digitar cp freelinux.txt /home/freelinux2.txt;

date: mostra a data e a hora atual;

df: mostra as partições usadas;

diff arquivo1 arquivo2: indica as diferenças entre dois arquivos, por exemplo: diff calc.c calc2.c;

du diretório: mostra o tamanho de um diretório;

emacs: abre o editor de textos emacs;

file arquivo: mostra informações de um arquivo;

find diretório parâmetro termo: o comando find serve para localizar informações. Para isso, deve-se digitar o comando seguido do diretório da pesquisa mais um parâmetro (ver lista abaixo) e o termo da busca. Parâmetros:
name - busca por nome
type - busca por tipo
size - busca pelo tamanho do arquivo
mtime - busca por data de modificação

Exemplo: find /home name freelinuxbr

finger usuário: exibe informações sobre o usuário indicado;

free: mostra a quantidade de memória RAM disponível;

halt: desliga o computador;

history: mostra os últimos comandos inseridos;

id usuário: mostra qual o número de identificação do usuário especificado no sistema;

kill: encerra processados em andamento. Saiba mais no artigo Processos no Linux;

ls: lista os arquivos e diretórios da pasta atual;

lpr arquivo: imprime o arquivo especificado;

lpq: mostra o status da fila de impressão;

lprm: remove trabalhos da fila de impressão;

lynx: abre o navegador de internet de mesmo nome;

mv origem destino: tem a mesma função do comando cp, só que ao invés de copiar, move o arquivo ou o diretório para o destino especificado;

mkdir diretório: cria um diretório, por exemplo, mkdir freelinuxbr cria uma pasta de nome freelinuxbr;

mtools: permite o uso de ferramentas compatíveis com DOS. Após digitar o comando, você verá que todo comando do DOS terá um M na frente. Isso é normal.

passwd: altera sua senha. Para um administrador mudar a senha de um usuário, basta digitar passwd seguido do nome deste;

ps: mostra os processos em execução. Saiba mais no artigo Processos no Linux;

pwd: mostra o diretório em que você está;

reboot: reinicia o sistema imediatamente (pouco recomendável, preferível shutdown -r now);

rm arquivo: apaga o arquivo especificado;

rmdir diretório: apaga o diretório especificado, desde que vazio; para remover o diretório mesmo que tenha conteúdo, digite rm -rf nomedapasta

shutdown: desliga ou reinicia o computador, veja:

shutdown -r now: reinicia o computador

shutdown -h now: desliga o computador. O parâmetro now pode ser mudado. Por exemplo: digite shutdown -r +10 e o sistema irá reiniciar daqui a 10 minutos;

su: passa para o usuário administrador, isto é, root (perceba que o símbolo $ mudará para #);

tar -xzvf arquivo.tar.gz: extrai um arquivo compactado em tar.gz. Saiba mais no artigo Compactação e
descompactação de arquivos com Tar e gzip;

telnet: ativa o serviço de Telnet em uma máquina. Para acessar esse computador a partir de outros por Telnet, basta digitar telnet nomedamáquina ou telnet IP. Por exemplo: telnet 192.168.0.10. Após abrir o Telnet, digite help para conhecer suas funções;

top: exibe a lista dos processos, conforme os recursos de memória consumidos;

uname: mostra informações do sistema operacional e do computador. Digite uname -a para obter mais detalhes;

useradd usuário: cria uma nova conta usuário, por exemplo, useradd marvin cria o usuário marvin;

userdel usuário: apaga a conta do usuário especificado;

uptime: mostra a quantas horas seu computador está ligado;

vi: inicia o editor de textos vi.

whereis nome: procura pelo binário do arquivo indicado, útil para conhecer seu diretório ou se ele existe no sistema;

w: mostra os usuários logados atualmente no computador (útil para servidores);

who: mostra quem está usando o sistema.

Praticamente todos os comandos citados possuem parâmetros que permitem incrementar suas funcionalidades. Por exemplo, se você digitar o comando ls com o parâmetro -R (ls -R), este mostrará todos os arquivos do diretório, inclusive os ocultos.
A melhor forma de conhecer os parâmetros adicionais de cada comando é consultando as informações de ajuda. Para isso, pode-se usar o recurso --help. Veja o exemplo para o comando ls:
ls --help
Também é possível utilizar o comando man (desde que seu conteúdo esteja instalado), que geralmente fornece informações mais detalhadas. Par usar o man para obter detalhes do comando cp, por exemplo, a sintaxe é:

man cp

Se você estiver utilizando o bash, pode-se aplicar o comando help ou info da mesma forma que o comando man:
help cp
info cp

Sucesso para todos,
Fiquem com Deus.
Twitter: @renatobluesboy

Fonte principal:
http://www.infowester.com/comandoslinux.php